Conheça o povo Krahô e a festa tradicional Ketuayê



Com o tema “Festa das Crianças”, a XII Aldeia Multiétnica, a ser realizada de 13 a 20 de julho, propõe uma reflexão sobre a infância e os saberes dos povos originários, celebrando a diversidade dos povos do Brasil com a vitalidade das crianças, personagens centrais desta edição. 

Um dos povos que confirmaram presença é o Krahô, do Tocantins, que percorrerá 973 km para apresentar fragmentos do Ketuayê, ritual tradicional que celebra a transição da infância para a vida adulta.

Em 2010, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística registrou 305 etnias indígenas no Brasil. Todas têm estruturas próprias e diferenciam-se profundamente umas das outras por sua organização social e cultural. Possuem métodos educativos singulares, que são aplicados na criação das crianças e jovens a fim de perpetuar os saberes tradicionais do povo e fortalecer a identidade cultural do indivíduo.

O Ketuayê                                                                                                 

Qualificado como um rito de passagem, o Ketuayê é uma festa que celebra o fim da reclusão dos meninos, que pode durar de 40 dias a três meses. Cada menino passa pelo ritual de duas a quatro vezes na vida. Segundo os anciões, apenas aqueles que já passaram pelo ritual quatro vezes têm a chance de se tornarem caciques algum dia. Após todas as etapas do ritual, os meninos são considerados homens.

Além do isolamento, uma dieta especial é preparada para os jovens. A reclusão tem o objetivo de aproximar os espíritos antigos e ancestrais que os acompanharão por toda a vida. Cantorias no pátio central e a corrida de tora são algumas das atividades realizadas.

Neste período, a família do jovem recluso também participa do processo, produzindo artesanatos para serem trocados nas cidades por tecidos e outros elementos industrializados necessários para a festa.

Os Krahô

O povo Krahô vive no Nordeste do Estado de Tocantins, na Terra Indígena Krahô, localizada nos municípios de Goiatins e Itacajá, entre os rios Manoel Alves Grande e Manoel Alves Pequeno, que são afluentes da margem direita do Rio Tocantins. A vegetação predominante é o Cerrado, com presença de estreitas florestas que acompanham os cursos dos rios. A floresta que acompanha o Rio Vermelho, no entanto, é mais larga e compõe o limite Nordeste do território indígena. O povo Krahô soma dois séculos de contato com não-indígenas e participa da Aldeia Multiétnica desde sua primeira edição, em 2007.

Saiba mais sobre este e outros grupos indígenas AQUI