Com o tema “Festa das Crianças”, Aldeia Multiétnica abordará os processos educacionais indígenas



Para os povos indígenas, a infância é uma grande e livre escola. Plantar, caçar, pescar, conhecer as plantas e as fases da lua são algumas das atividades apresentadas às crianças desde seus primeiros anos, aproximando-as de um modo de vida autônomo e sustentável. Com o tema “Festa das Crianças”, a 12ª edição da Aldeia Multiétnica também abordará os processos educacionais dos povos indígenas, com a participação das etnias Krahô (TO), Kayapó Mebengokré (PA), Fulni-ô (PE), Guarani Mbyá (SP), Xavante (MT) e dos povos do Alto Xingu (MT).

Segundo Fernando Schiavini, indigenista com mais de 30 anos de atuação em favor dos povos indígenas do Brasil, “os ritos de passagem que serão apresentados durante a vivência são um marco na construção educacional das crianças indígenas, pois representam a celebração do processo de aprendizagem de tudo o que é importante para a sobrevivência e manutenção de sua cultura”. 

Esses ritos celebram a autonomia das crianças participantes, preparando-as para a vida adulta sem que o medo ou a dependência de ações externas as imobilize.  Aracy Lopes da Silva, antropóloga e escritora que dedicou sua vida a pesquisar a infância indígena, costumava dizer que “as crianças, assim como os xamãs, são a porta de entrada do novo nas sociedades” e que há uma grande diferença entre educação e escolarização. 

Essa reflexão ilumina um dos objetivos da XII Aldeia Multiétnica: compreender a força dos processos educacionais dos povos tradicionais e reconhecer os elementos que potencializam a formação do indivíduo como cidadão autônomo e consciente de suas responsabilidades ambientais, individuais e coletivas.  

Quer agregar à reflexão? Ainda dá tempo de participar da vivência! Veja como em www.aldeiamultietnica.com.br/pacotes.