Vivência com o povo Xavante - Outubro de 2018 na Aldeia Multiétnica

A Vivência

De 11 a 16 de outubro, a Aldeia Multiétnica realiza sua primeira vivência Xavante, com um grupo da Aldeia Ripá (MT). A proposta é transmitir conhecimentos sobre a cultura indígena A’uwe (como os Xavante se autodenominam) associados à biodiversidade do Cerrado nativo, bioma no qual estão inseridas as aldeias desta etnia e a Chapada dos Veadeiros.

Em julho de 2018, os Xavante participaram da XII Aldeia Multiétnica e construíram sua casa tradicional no local. Em outubro, teremos a oportunidade de aprofundar nossos conhecimentos sobre os modos de ser, fazer e pensar deste povo. Entre as atividades estão cantos tradicionais e devocionais, pinturas corporais, corridas com toras de buriti, caminhadas pelo Cerrado em busca de plantas medicinais, contação de histórias antigas ao redor da fogueira, troca de sementes nativas do Cerrado e discussões sobre o sonhar consciente na tradição A’uwe.

Sementes e Sonhos

Para os Xavante, “a vida é feita da mesma matéria dos sonhos”, portanto a estrutura social e as decisões tomadas nas aldeias são fundamentadas nos mesmos. Por meio do sonho, os indígenas desta etnia recebem orientações e mensagens sobre como devem agir e quais decisões tomar. Na vivência, teremos a oportunidade de aprender e trocar experiências sobre a linguagem do sonhar, e também sobre outras particularidades culturais e espirituais do povo Xavante.

Para participar, é preciso aderir a um dos pacotes abaixo. Oferecemos duas opções: pacote camping e pacote hospedaria. Ambos incluem hospedagem + alimentação (café da manhã, almoço e jantar) + toda a programação de atividades da vivência, de 11 a 16 de outubro.

Programação da Vivência

Quinta-feira, 11 de outubro

  • Chegada dos participantes a partir das 10h.
  • Recepção e acomodação.
  • 12h-13h: almoço.
  • 15h: Canto tradicional e exibição de documentário sobre a cultura A’uwe; Palavra sobre o Cerrado e a etnia Xavante.
  • 16h: Roda de Prosa - Explicações sobre a dinâmica da vivência com todos os participantes e apresentação da programação.
  • 19h-20h: jantar.
  • 20h30: exibição de filmes e comentários.

Sexta-feira, 12 de outubro

  • 8h-9h: Café da manhã.
  • 8h: Palavra sobre os pássaros sagrados na tradição A’uwe. Momento de audição e explanação sobre os cantos.
  • 9h: Canto tradicional Dazarõnõ.
  • 9h30: Caminhada no Cerrado para coleta de matéria-prima das pulseiras tradicionais Wedenhoro. Confecção e amarração das pulseiras.
  • Vivência na beira do Rio Couros, sobre o ritual de furação de orelha A’uwe.
  • 12h-13h: Almoço.
  • 15h: Roda de Prosa "Territorialidade e luta pelo território A’uwe Xavante em Canarana (MT). O Sentido de habitar seminômade" e Vivência em arquitetura indígena A’uwe Xavante: desenho, sentido e reparo coletivo da casa Xavante, com bambu e barro.
  • 18h: Roda de Prosa "Pesquisa e produção literária sobre os Xavante", com Arthur Shaker.
  • 19h-20h: Jantar.
  • 20h30: Roda de Prosa ao redor da fogueira - Histórias antigas do Povo A’uwe, com a participação do antropólogo Arthur Shaker, PhD em Etnologia Indígena pela UNICAMP e autor do livro “Romhõsi’wa – os Senhores da criação do mundo Xavante”.

Sábado, 13 de outubro

  • 8h-9h: Café da manhã.
  • 9h: Canto tradicional Dasiwai’õ. Palavra sobre a música tradicional A’uwe no estudo de etnolinguística.
  • 9h30: Caminhada no Cerrado para reconhecimento de espécies nativas de uso Xavante. Tibu’wa, medicina tradicional.
  • 11h: Roda de Prosa "Educação tradicional A’uwe no Hö".
  • 12h-13h: almoço.
  • 14h30: Roda de Prosa "Política, estrutura social e vida em comunidade."
  • Urucum e carvão: a pintura corporal A’uwe Xavante.
  • 16h: Ui’wede corrida de tora entre clãs.
  • 19h-20h: jantar.
  • 20h30: Roda de prosa em volta da fogueira - “Lugares sagrados e guardiões indígenas”, com a participação de Simón Arthur e Elisa Bar-Nissim, sobre a relação de comunidades indígenas com pontos de força e lugares sagrados, com base na relação dos Xavante com a Serra do Roncador.

Domingo, 14 de outubro

  • 8h-9h: café da manhã.
  • 9h: Canto tradicional Dapraba.
  • 10h: Roda de Prosa "Alimentação tradicional A’uwe: coleta de cocos, carás, palmitos e frutos do Cerrado": Subsistência e biodiversidade.
  • 11h: Roda de Prosa "Confecção do bolo de milho tradicional": A cestaria tradicional A’uwe, manejo e confecção.
  • Canto tradicional Uiderarã.
  • 12h-13h: almoço.
  • 15h: Rodas de Prosa:
  • Etnoecologia no trabalho dos coletores de sementes A’uwe. Flora e Fauna da T.I. Xavante.
  • Patrimônio agricultural indígena na atualidade.
  • Feira de troca de sementes e saberes da tradição A’uwe.
  • 18h-19h: jantar.
  • 20h30: O sonhar consciente na tradição A’uwe: videoconferência com a antropóloga e etnógrafa Laura Graham, autora do livro “Performance de sonhos: discursos de imortalidade Xavante”.

Segunda-feira, 15 de outubro

  • 6h30: Òió, luta dos meninos entre clãs.
  • Luta corporal.
  • 8h-9h: café da manhã.
  • 9h: Canto tradicional Wapterõze.
  • 9h30: prática agroecológica de plantio nas SAFs da Aldeia.
  • 11h: Roda de Prosa: Arquearia Xavante.
  • 12h-13h: almoço.
  • 14h30: Roda de Prosa: Festas e rituais sagrados da vida indígena no Mato Grosso.
  • 16h: Roda de Prosa:  Morfologia e dualidade, grupos de idades espirituais.
  • 18h: Ui’wede, corrida de tora de buriti entre clãs.
  • Canto Tradicional.
  • 19h-20h: jantar.
  • 20h30: Roda de conversa ao redor da fogueira: Calendário cultural Xavante comentado e a produção audiovisual A’uwe.

Terça-feira, 16 de outubro

  • 8h-9h: café da manhã.
  • 9h: Canto tradicional Du’nhore.
  • 10h: Wa’i luta corporal tradicional.
  • 11h: Despedida.

**Opcional:

  • 14h: Visita guiada em região de Cerrado nativo, com povo A’uwe, no Morro da Baleia. A Aldeia estará fechada após 11h. Por isso, deixamos um tempo entre a despedida e o início do passeio. Pedimos que se organizem para irem a seus próximos destinos após a visita.

Visitação


Abriremos para visitação no sábado e domingo, dias 13 e 14 de outubro, respectivamente, para quem estiver na Chapada dos Veadeiros durante a vivência com os A'uwe-Xavante. Em ambos os dias, das 14h às 18h.

É possível comprar o ingresso no mesmo dia, na portaria da Aldeia, por R$ 50, que também inclui o acesso às cachoeiras Almécegas I e II. Sugestão: vá nas cachoeiras de manhã e volte para realizar a vivência a partir das 14h (temos uma lanchonete com várias delícias).

Detalhes


De acordo com a deliberação normativa nº 161 de 09 de agosto de 1985 da EMBRATUR, é estabelecido o critério de devolução conforme condições descritas abaixo:
  • Cancelamento Até 30 dias do início da viagem: 90% do valor total
  • Cancelamento entre 29 e 21 dias do início da viagem: 80% do valor total 
  • Cancelamento entre 20 e 7 dias do início da viagem: 50% do valor total
  • Cancelamento a menos de 7 dias do início da viagem: não haverá devolução

Reserve sua vaga

As vagas são limitadas. Garanta a sua!


Área para camping + alimentação (café da manhã, almoço e jantar) + programação completa da vivência. Oferecemos barraca, colchonete e cobertor. Não é necessário trazer.


Cama na hospedaria + alimentação (café da manhã, almoço e jantar) + programação completa da vivência. Oferecemos roupa de cama, cobertor e travesseiro, não é necessário trazer.


Chegada na sexta-feira, 12/10, e saída no domingo, 14/10.
Área para camping + alimentação (café da manhã, almoço e jantar) + programação completa da vivência. Oferecemos barraca, colchonete e cobertor. Não é necessário trazer.

Realização: Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge e Centro de Estudos Universais AUM. Apoio: AIRE